A hora do Diabo, por Fernando Pessoa.
Provavelmente escrito entre 1902 e 1905.
(Cá na ortografia não original, pre-acordo ortográfico de 1990.)

Le hora del Diabolo, traduction in interlingua, © maio/junio/julio 2018, per Ruud Harmsen.

Saíram do terminus, e, ao chegar à rua, ela viu com pasmo que estava na própria rua onde morava, a poucos passos de casa. Estacou. Depois voltou-se para trás, para exprimir esse pasmo ao companheiro; mas atrás dela não vinha ninguém. Estava a rua, lunar e deserta, nem havia nela edifício que pudesse ser ou parecer ser um terminus de estação de comboios.

Illes quitava le terminus, e, al arrivar al strata, illa videva con surprisa que esseva in le exacte strata ubi illa demorava, a pauc passos del casa. Illa stoppava. Depost illa volveva, pro exprimer su surprisa al companion; ma detra illa habeva venite nemo. Il esseva le strata, lunar e deserte, ni il habeva in illo edificio que poterea ser o parer ser un terminus de trainos.

Tonta, sonolenta, mas interiormente desperta e alarmada, foi até casa. Entrou, subiu; no andar de cima encontrou, ainda desperto, o marido. Lia, no escritório, e, quando ela entrou, depôs o livro.

Confuse, somnolente, ma interiormente vigile e alarmate, illa iva a casa. Illa entrava e montava; incontrava, ancora eveliate, le marito. Ille legeva in le bureau. Quando illa entrava, ille deponeva le libro.

– Então? – perguntou ele.

– Como era? – demandava ille.

E ela:

E illa:

– Correu tudo muito bem. O baile foi muito interessante. – E acrescentou, antes que ele perguntasse – Uma gente que estava lá no baile trouxe-me de automóvel até ao princípio da rua. Não quis que eles viessem até à porta. Saí ali mesmo; insisti. Ah, que cansada que estou!

– Era toto multo bon. Le ballo esseva multo interessante. – Addente, ante que ille lo demandarea – Gente qui era la in le ballo conduceva-me in automobile usque le principio del strata. Io non voleva que illes venirea usque le porta. Io descendeva illac, insistente. Ah, que fatigate que so!

E, num gesto de grande cansaço e esquecendo-se de um beijo, foi-se deitar.

E, in un gesto de grande fatiga e oblidante basiar le, illa se cubava.

Seu filho, quando nasceu, nasceu normal de figura, mas não tardou que mostrasse que era um homem de génio. Os seus poemas têm uma feição estranha e lunar. Paira neles um desejo de grandes coisas, como de alguém que um dia tivesse pairado, numa vida antes dessa, por sobre todas as cidades da Terra. Recorre em seus versos uma visão de grandes pontes, inexplicável por qualquer experiência que se lhe conheça. E uma vez, num poema escrito quase em sonho, ele diz que qualquer coisa nele fora tentada, como Cristo, na grande altura de onde se vê todo o mundo.

Su filio, quando nasceva, nasceva normal de figura, ma il non tardava que ille monstrava ser un genio. Su poemas ha un character estranie e lunar. Plana in illos un desiro de grande cosas, como de alicuno qui un die haberea planate, in un vita ante iste, super tote le citates del Terra. Retorna in su versos un vision de grande pontes, inexplicabile per qualcunque experientia de ille cognoscite. E un vice, in un poema scripte quasi in sonio, ille dice que alicun cosa in ille habeva essite tentate, como Christo, in le grande altor de ubi on vide tote le mundo.



Em baixo, a uma distância mais que impossível, estavam, como astros espalhados, grandes manchas de luz – cidades, sem dúvida, da terra. O Diabo apontou-lhas. São as grandes cidades do mundo: aquela é Londres – e apontou uma na distância descida. Aquela é Berlim, e apontou outra. E aquela ali, é Paris. São manchas de luz na treva, e nós, nesta ponte, passamos alto sobre elas, peregrinos do mistério e do conhecimento.

In basso, a un distantia plus que impossibile, il habeva, como astros dispersate, grande maculas de luce – citates, sin dubita, del terra. Le Diabolo la los appunctava. Son le grande citates del mundo: celle es London – e ille ap­punctava un in le distantia descendite. Celle es Berlin, e appunctava un altere. E celle illac, es Paris. Illos son ma­cu­las de luce in le tenebras, e nos, sur iste ponte, passa alte super illos, peregrinos del mysterio e del cognos­cimento.

– Que coisa tão pavorosa e tão bonita! O que é aquilo tudo ali em baixo?

– Que cosa tan pavorose e tan belle! Que es illo toto la in basso?

– Aquilo, minha senhora, é o mundo. Foi de aqui que, por incumbência de Deus, tentei seu Filho, Jesus. Mas não deu resultado, como eu já esperava, porque o Filho era mais iniciado do que o Pai, e estava em contacto directo com os Superiores Incógnitos da Ordem. Foi uma provação, como dizemos em linguagem iniciática, e o Candidato portou-se admiravelmente.

– Illo, seniora, es le mundo. Il esseva de qui que, per incumbentia de Deo, io tentava su Filio, Jesus. Ma illo non dava resultato, como io ja habeva expectate, proque le Filio era plus initiate que le Patre, e stava in contacto directe con le Superiores Incognite del Ordine. Il esseva un prova, como nos dice in linguage initiatic, e le Candidato se comportava admirabilemente.

– Não percebo bem. Foi de aqui, realmente, que tentou ao Cristo?

– Io non comprende ben. Esseva de qui, realmente, que vos tentava al Christo?

– Foi. Está claro que, onde agora está um vale imenso, estava então uma montanha. No abismo também há geologias. Aqui, onde estamos passando, era o píncaro. Que bem que me lembro! O Filho do Homem repudiou-me desde além de Deus. Segui, porque era o meu dever, o conselho e a ordem de Deus: tentei-o com tudo quanto havia. Se houvesse seguido meu conselho próprio, tê-lo-ia tentado com o que não pode haver. Talvez a história do mundo em geral, e a da religião cristã em particular, tivessem sido diferentes. Mas que podem contra a força do Destino, supremo arquitecto de todos os mundos, o Deus que criou este, e eu, o Diabo distrital, que, porque o nega, o sustenta?

– Si. Il es clar que, ubi ora il ha un valle immense, esseva alora un montania. In le abysmo tamben il ha geologias. Hic, ubi nos marcha, era le picco. Que ben que io me memora! Le Filio del Homine me repudiava desde ultra Deo. Io sequeva, proque illo esseva mi deber, le consilio e le ordine de Deo: io le tentava con toto quanto il habeva. Si io habeva sequite mi consilio proprie, io le haberea tentate con lo que il non pote haber. Forsan le historia del mundo in general, e le del religion christian in particular, haberea essite differente. Mais que pote contra le fortia del Destino, supreme architecto de tote le mundos, le Deo qui creava iste, e io, le Diabolo districtal, qui, proque lo nega, lo sustenta?

– Mas como é que se pode sustentar uma coisa por a negar?

– Ma como es que on pote sustentar un cosa per negar lo?

– É a lei da vida, minha senhora. O corpo vive porque se desintegra, sem se desintegrar demais. Se não se desintegrasse segundo a segundo, seria um mineral. A alma vive porque é perpetuamente testada, ainda que resista. Tudo vive porque se opõe a qualquer coisa. Eu sou aquilo a que tudo se opõe. Mas, se eu não existisse, nada existiria, porque não havia a que opor-se, como a pomba do meu discípulo Kant, que, voando bem no ar leve, julga que poderia voar melhor no vácuo.

– Illo es le lege del vita, seniora. Le corpore vive porque se disintegra, sin disintegrar se troppo. Si non se disintegrava secunda a secunda, seria un mineral. Le anima vive proque illo es perpetuemente testate, ben que resiste. Toto vive proque se oppone a qualque cosa. Io es illo al qual toto se oppone. Mais, se io non existeva, nihil existerea, proque il non habeva alco al qual opponer se, como le columba de mi discipulo Kant, que, volante ben in le aere leve, judica que poterea volar melio in le vacuo.

 

 

« A música, o luar e os sonhos são as minhas armas mágicas. Ma por música não deve entender-se só aquela que se toca, se não também aquela que fica eternamente por tocar. Por luar, ainda, não se deve supor que se fala só do que vem da Lua e faz as árvores grandes perfis; há outro luar, que o mesmo Sol não exclui, e obscurece em pleno dia o que as coisas fingem ser. Só os sonhos são sempre o que são. É o lado de nós em que nascemos e em que somos sempre naturais e nossos.

« Le musica, le claro de luna e le sonios son mi armas magic. Mais per musica on non debe intender solo le qual on sona, sinon tamben cello que remane eternemente pro sonar. Alsi quanto al claro de luna, on non debe supponer que on parla solo de lo que veni del Luna e face le arbores grande profilos; il ha un altere luce de luna, que le Sol mesme non exclude, e obscura in plen die lo que le cosas finge ser. Solo le sonios son sempre lo que son. Il es le latere de nos in que nos nasceva e in que somos sempre natural e nos.

 

 

– Mas, se o mundo é acção, como é que o sonho faz parte do mundo?

– Mais, si le mundo es action, como es que le sonio face parte del mundo?

– É que o sonho, minha senhora, é uma acção que se tornou ideia; e que por isso conserva a força do mundo e lhe repudia a matéria, que é o estar no espaço. Não é verdade que somos livres no sonho?

– Il es que le sonio, seniora, es un action que ha devenite idea; e que pro illo conserva le fortia del mundo e repudia de illo le materia, que es le ser in le spatio. Non es ver que nos es libere in le sonio?

– Sim, mas é triste o acordar…

– Si, mais es triste le eveliar…

– O bom sonhador não acorda. Eu nunca acordei. Deus mesmo duvido que não durma. Já uma vez ele mo disse…

– Le bon soniator non se evelia. Io nunquam me ha eveliate. De Deo mesme io dubita que ille non dormi. Ja un vice ille me lo diceva…

Ela olhou-o de sobressalto e teve subitamente medo, uma expressão do fundo de toda a alma que nunca sentira.

Illa le mirava de supersalto e habeva subitemente timor, un expression del fundo de tote le anima que illa nunquam habeva sentite.

– Mas afinal quem é o senhor? Porque está assim mascarado?

– Mais finalmente qui es vos? Proque vos es assi mascarate?

– Respondo, numa só resposta, às suas duas perguntas: não estou mascarado.

– Io responde, in un sol responsa, a vostre duo questiones: io non es mascarate.

– Como?

– Como?

– Minha senhora, eu sou o Diabo. Sim, sou o Diabo. Mas não me tema nem se sobressalte.

– Seniora, io es le Diabolo. Si, so le Diabolo. Ma non me time ni vos supersalta.

E num relance de terror extremo, onde boiava um prazer novo, ela reconheceu, de repente, que era verdade.

E in un reemergentia de terror extreme, ubi flottava un placer nove, illa recognosceva, subito, que era veritate.

– Eu sou de facto o Diabo. Não se assuste, porém, porque eu sou realmente o Diabo, e por isso não faço mal. Certos imitadores meus, na terra e acima da terra, são perigosos, como todos os plagiários, porque não conhecem o segredo da minha maneira de ser. Shakespeare, que inspirei muitas vezes, fez-me justiça: disse que eu era um cavalheiro. Por isso esteja descansada: em minha companhia está bem. Sou incapaz de uma palavra, de um gesto, que ofenda uma senhora. Quando assim não fosse da minha própria natureza, obrigava-me o Shakespeare a sê-lo. Mas, realmente, não era preciso.

– Io es de facto le Diabolo. Non espaventa vos, totevia, pro­que io es realmente le Diabolo, e pro isto non face mal. Certe imitatores mie, sur le terra e in cyma del terra, es periculose, como tote le plagiarios, porque illes non cognosce le secreto se mi maniera de ser. Shakespeare, que io ha inspirate multe vices, me faceva justitia: ille diceva que io es un gentilhomine. Pro isto sia sin pavor: in mi compania vos es salve. Io es incapace de un parola, de un gesto, que offenderea un seniora. Quando assi non serea de mi proprie natura, me obligava Shakespeare a ser lo. Mais, realmente, il non era necesse.

« Dato do princípio do mundo, e desde então tenho sido sempre um ironista. Ora, como deve saber, todos os ironistas são inofensivos, excepto se querem usar da ironia para insinuar qualquer verdade. Ora eu nunca pretendi dizer a verdade a ninguém – em parte porque de nada serve, em parte porque a não conheço. Meu irmão mais velho, Deus todo poderoso, creio que também a não sabe. Isso, porém, são questões de família.

« Io data del principio del mundo, e desde tunc io ha essite sempre un ironista. Ora, como vos debe saper, tote le ironistas es inoffensive, excepte si illes vole usar le ironia pro insinuar qualque veritate. Ora io nunquam pretendeva dicer le veritate a nemo – in parte proque illo de nihil servi, in parte proque io non lo cognosce. Mi fratre plus vetule, Deo omnipotente, io crede que tamben lo non sape. Isto, tamen, es questiones de familia.

« Talvez não saiba porque é que a trouxe aqui, nesta viagem sem termo real nem propósito útil. Não foi, como parecia que ia julgar, para a violar ou atrair. Essas coisas sucedem na terra, entre os animais, que incluem os homens, e parece que dão prazer – creio, segundo me dizem lá de baixo, até às vítimas.

« Forsan vos non sape proque es que io vos ha conducite qui, in iste viage sin termino real ni proposito utile. Il non esseva, como il pareva que vos iva judicar, pro violar o attraher vos. Ille cosas occurre sur terra, inter le animales, que include le ho­mi­nes, e il pare que illos dona placer – io crede, secundo on me dice la in basso, mesmo al victimas.

« De resto, não poderia. Essas coisas acontecem na terra, porque os homens são animais. Na minha posição social no universo são impossíveis – não bem porque a moral seja melhor, mas porque nós os anjos, não temos sexo, e essa é, neste caso pelo menos, a principal garantia. Pode pois estar tranquila porque não a desrespeitarei. Bem sei que há des­respeitos acessórios e inúteis, como os dos romancistas modernos e os da velhice; mas até esses me são negados, porque a minha falta de sexo data desde o princípio das coisas e nunca tive que pensar nisso. Dizem que muitas feiticeiras tiveram comércio comigo, mas é falso; ainda que não o seja, porque o com que tiveram comércio foi com a própria imagina­ção, que, em certo modo, sou eu.

« Del resto, io non poterea. Ille cosas eveni sur terra, proque le homines es animales. In mi position social in le universo illos es impossibile – non proque le moral serea melior, ma proque nos, le angelos, non habe sexo, e illo es, in iste caso al minus, le principal garantia. Dunque vos pote ser tranquille proque io non vos disrespectara. Io sape ben, que il ha disrespectos accessori e inutile, como los del romanceros moderne e los del vetustate; mais mesmo istes me es negate, proque mi manco de sexo data desde le principio del cosas e io nunquam debeva pensar de illo. On dice que multe magas habeva commercio con me, ma illo es false; ben que non lo es, proque lo con que illes habeva commercio esseva con lor proprie imagination, que, in certe modo, es io.

« Esteja, pois, tranquila. Corrompo, é certo, porque faço imaginar. Mas Deus é pior – num sentido, pelo menos, porque criou o corpo corruptível, que é muito menos estético. Os sonhos, ao menos, não apodrecem. Passam. Antes assim, não é verdade?

« Sia, dunque, tranquille. Io corrumpe, illo es certe, proque io face imaginar. Mais Deo es pejor – in un senso, al minus proque ille ha create le corpore corruptibile, que es multo minus esthe­tic. Le sonios, al minus, non putresce. Illos passa. Plus tosto assi, nonne?

« É o que está significado no Arcano 18. Confesso que não conheço bem o Tarot, porque ainda não consegui aprender os seus segredos com as muitas pessoas que há no mundo que o compreendem perfeitamente.

« Es illo que es significate in le Arcano 18. Io confessa que io non cognosce ben le Tarot, proque io ancora non ha succedite apprender su secretos con le multe personas que il ha in le mundo qui lo comprehende perfectemente.

– Dezoito? O meu marido tem o grau 18 da Maçonaria.

– Dece-octo? Mi marito habe le grado 18 del Masoneria.

– Da Maçonaria, não: de um rito da Maçonaria. Mas, apesar do que se tem dito, não tenho nada com a Maçonaria e muito menos com esse grau. Referia-me ao arcano 18 do Tarot, isto é, da chave de todo o universo, da qual, aliás, o meu entendimento é imperfeito, como o é da Kaballah, da qual os doutores da Doutrina Secreta sabem mais do que eu.

– Del Masoneria, no: de un rito del Masoneria. Mais, mal­grado lo que on ha dicite, io non ha nihil con le Masoneria e multo minus con ille grado. Io me refereva al arcano 18 del Tarot, id es, del clave de tote le universo, del qual, cetero, mi intendimento es imperfecte, como lo es del cabala, del qual le doctores del Doctrina Secrete sape plus que io.

« Mas deixemos disso, que é puramente jornalístico. Lembremo-nos de que eu sou o Diabo. Sejamos, pois, diabólicos. Quantas vezes tem sonhado comigo?

« Mais vamos lassar isto, que es purmente jornalistic. Vamos reflecter que io es le Diabolo. Nos sia, ergo, diabolic. Quante vices vos ha soniate super me?

– Que eu saiba, nunca – respondeu, sorrindo, Maria, fitando-o com olhos muito abertos.

– Como io sape, nunquam – respondeva, surridente, Maria, fixante le con oculos multo aperte.

– Nunca pensou no Príncipe Encantado, no Homem Perfeito, no amante interminável? Nunca sentiu ao pé de si, em sonho, o que acariciasse como ninguém acaricia, o que fosse seu como se a incluísse em ele, o que fosse, no mesmo tempo, o pai, o marido, o filho, numa tripla sensação que é só uma?

– Vos nunquam ha pensate al Principe Incantate, al Homine Perfecte, al amante interminabile? Nunquam vos ha sentite a presso de vos, in un sonio, le qui caressarea como nemo caressava, le qui serea le sue como si ille vos includerea in se, le qui serea, in le mesme tempore, le patre, le marito, le filio, in un triple sensation que es solo un?

– Embora não compreenda bem, sim, creio que pensei assim e senti assim. Custa um pouco a confessá-lo, sabe?

– Ben que io non comprehende ben, si, io crede que io ha pensate assi e sentite assi. Il costa un poco a confessar lo, vos sape?

– Era eu, sempre eu, que sou a Serpente – foi o papel que me distribuíram – desde o princípio do mundo. Tenho que andar a tentar, mas, bem entendido, num sentido figurado e fruste, porque não vale tentar utilmente. Onde é que se diz que tentei Eva? Diz-se no Genesis que Eva foi tentado pela Serpente, que é o mais subtil dos bichos que há no campo. Quem lhe disse que eu era a Serpente?

– Era io, sempre io, qui es le Serpente – illo esseva le rolo que on me habeva distribuite – desde le principio del mundo. Io debe continuar a tentar, mais, ben intendite, in un senso figurate et inan, porque non vale tentar utilemente. Ubi es que on dice que io tentava Eva? On dice in Genesis que Eva esseva tentate per le Serpente, que es le plus subtil del bestias que il ha in le campo. Qui vos ha dicite que io era le Serpente?

 

 

« Foram os gregos que, pela interposição da Balança, fizeram onze os dez signos primitivos do Zodíaco. Foi a Serpente que, pela interposição da crítica, tornou realmente doze a década primitiva.

« Il esseva le grecos qui, per le interposition del Balancia , faceva undece le dece signos primitive del Zodiaco. Il esseva le Serpente qui, per le interposition del critica, lassava devenir realmente duodece le decade primitive.

– Realmente, não percebo nada.

– Realmente, io non comprende nihil.

– Não percebe: ouça. Outros perceberão… As minhas melhores criações – o luar e a ironia.

– Vos non comprende: audi. Alteres comprendera… Mi melior creationes – le claro de luna e le ironia.

– Não são coisas muito parecidas…

– Illos non es cosas multo simile…

– Não, porque eu não sou parecido comigo mesmo. Esse vício é a minha virtude. É por isso que sou o Diabo.

– No, proque io non es simile a mi mesme. Iste vitio es mi virtute. Es pro isto que io es le Diabolo.

– E como se sente?

– E como vos senti vos?

– Cansado, principalmente cansado. Cansado de astros e de leis, e um pouco com a vontade de ficar para fora do universo e recrear-me a sério com coisa nenhuma. Agora não há vácuo nem sem razão; e eu lembro coisas antigas – sim, muito antigas – nos reinos de Edom que eram antes de Israel. Desses estive eu para ser rei, e hoje estou no exílio do que não tive.

– Fatigate, principalmente fatigate. Fatigate de astros e de leges, e un poco con le voluntate de remaner foras del universo e recrear me seriemente con nihil del toto. Ora il non ha mesmo un vacuo sin ration; e io memora cosas antique – si, multo antique – in le regnos de Edom que era ante Israel. De illos devenirea io rege, e hodie io es in exilio de lo que io non ha habite.

« Nunca tive infância, nem adolescência, nem portanto idade viril a que chegasse. Sou o negativo absoluto, a encarnação do nada. O que se deseja e se não pode obter, o que se sonha porque não pode existir – nisso está o meu reino nulo e aí está assente o trono que me não foi dado. O que poderia ter sido, o que deveria ter havido, o que a Lei ou a Sorte não deram – atirei-os às mancheias para a alma do homem e ela perturbou-se de sentir a vida viva do que não existe. Sou o esquecimento de todos os deveres, a hesitação de todas as intenções. Os tristes e os cansados da vida, depois de levantados da ilusão erguem para mim os olhos, porque eu também, e a meu modo, sou a Estrela brilhante da manhã. E há tanto tempo que o sou! Outro me veio substituir…

« Io nunquam habeva infantia, ni adolescentia, ni dunque etate viril a que io arrivarea. Io es le negativo absolute, le incarnation del nihil. Lo que on desidera e non pote obtener, lo que on sonia proque non pote exister – in illo il ha mi regno nulle e la reposa le throno que me non esseva date. Lo que poterea haber essite, lo que deberea haber existite, lo que le Lege o le Sorte non ha date – io los ha jectate a plen manos al anima del homine e le anima perturbava se de sentir le vita vive de lo que non existe. Il es le oblivion de tote le deberes, le hesitation de tote le intentiones. Le tristes e le fatigates del vita, post ser levate del illusion, altia a mi le oculos, proque io tamben, e de mi modo, es le Stella brillante del matino. E ja tante tempore que io lo so! Un altere ha venite me substituer…

« A humanidade é pagã. Nunca qualquer religião a penetrou. Nem está na alma do homem vulgar o poder crer na sobrevivência dessa mesma alma. O homem é um animal que desperta, sem que saiba onde nem para quê.

« Le humanitate es pagan. Nunquam qualcunque religion lo ha penetrate. Nec existe in le anima del homine vulgar le poter creder in le superviventia de ille mesme anima. Le homine es un animal que evelia, sin saper ubi nec pro le qual.

« Quando adora os Deuses, adora-os como feitiços. A sua religião é uma Bruxaria. Assim foi, assim é, e assim será. As religiões são somente o que extravasa dos mistérios para a profanidade e dela não é entendido, pois, por natureza, o não pode ser.

« Quando ille adora le Deos, adora los como idolos. Su religion es un Magia. Assi esseva, assi es, e assi sera. Le religiones es solmente lo que disborda del mysterios al profanitate e de illo non es intendite, nam, per su natura, non lo pote ser.

« As religiões são símbolos, e os homens tomam os símbolos, não como vidas (que são), mas como coisas (que não podem ser). Propiciam a Júpiter como se ele existisse, nunca como se ele vivesse. Quando se entorna sal, deita-se uma pitada, com a mão direita, por cima do ombro esquerdo. Quando se ofende a Deus, rezam-se uns tantos Padre-Nossos. A alma continua pagã e Deus por exumar. Só os raros lhe puseram a acácia (a planta imortal) no topo do túmulo, para que o levantassem dele quando a hora viesse. Mas esses são os que, por bem buscarem, foram os eleitos para achá-lo.

« Le religiones es symbolos, e le homines intende symbolos, non como vitas (que es), mais como cosas (que non pote ser). Illes propitia Jupiter como si ille existerea, nunquam como si ille viverea. Quando on misjecta sal, on lancea un poco, con le mano directe, trans le humero leve. Quando on offende Deo, on recita unos le Patre-Nostres. Le anima continua pagan e Deo a exhumar. Solo le rares ha ponite le acacia (le planta immortal) super su tumba, pro le levar de illo quando le hora venirea. Mais illes son les qui, per ben cercar, esseva le electes pro trovar lo.

« O homem não difere do animal senão em saber que o não é. É a primeira luz, que não é mais que treva visível. É o começo, porque ver a treva é ter a luz dela. É o fim, porque é o saber, pela vista, que se nasceu cego. Assim o animal se torna homem pela ignorância que nele nasce.

« Le homine non differe del animal sinon in saper que non lo es. Ille es le prime luce, que non es plus que tenebras visibile. Ille es le comencio, proque vider le tenebras es haber le luce de illo. Ille es le fin, proque es le saper, per le vista, que ille ha nascite cec. Assi le animal deveni homine per le ignorantia que in ille nasce.

« São eras sobre eras, e tempos atrás de tempos, e não há mais que andar na circunferência de um círculo que tem a verdade no ponto que está no centro.

« Il ha eras post eras, e tempos sequite per tempos, e il non ha plus a ambular al circumferentia de un circulo que ha le veritate in le puncto que es in le centro.

« O princípio da ciência é sabermos que ignoramos. O mundo, que é onde estamos; a carne, que é o que somos; o Diabo, que é o que desejamos – esses três, na Hora Alta, nos mataram o Mestre que estivemos para ser. E aquele segredo que ele tinha, para que nos convertêssemos nele, esse segredo foi perdido.

« Le principio del scientia es saper que nos ignora. Le mundo, que es ubi nos es; le carne, que es lo que nos es; le Diabolo, que es lo que nos desira – istes tres, in le Hora Alta, a nos occideva le Maestro que nos esseva a devenir. E illo secreto que ille habeva, pro nos lassar devenir ille, iste secreto es perdite.



« Também eu, minha senhora, sou a Estrela Brilhante da Manhã. Era-o antes que João falasse, porque há Patmos antes de Patmos, e mistérios anteriores a todos os mistérios. Sorrio quando pensam (penso) que sou Vénus em outro esquema de símbolos. Mas que importa? Todo este universo, com seu Deus e seu Diabo, com o que há nele de homens e de coisas que eles vêem, é um hieróglifo eternamente por decifrar. Sou, por mister, Mestre da Magia: não sei contudo o que ela é.

« Tamben io, seniora, es le Stella Brillante del Matino. Io era lo ante que Johannes parlava, proque il ha Patmos ante Patmos, e mysterios anterior a tote le mysterios. Io surride quando on pensa (pensa io) que so Venus in un altere schema de symbolos. Mais que importa? Tote iste universo, con su Deo e su Diabolo, con lo que il ha in illo de homines e de cosas que illes vide, es un hieroglyphico eternemente pro decifrar. So, per mestiero, Maestro del Magia: io non sape nonobstante que illo es.

« A mais alta iniciação acaba pela pergunta encarnada de se há qualquer coisa que exista. O mais alto amor é um grande sono, como aquele em que nos amamos de dormir. Às vezes eu mesmo, que devera ser um alto iniciado, pergunto ao que em mim é de além de Deus se estes deuses todos e todos estes astros não serão mais que sonos de si mesmos, grandes esquecimentos do abismo.

« Le plus alte initiation fini per le question incarnate de si il ha qualcunque cosa que existe. Le plus alte amor es un grande somno, como illo in que nos ama dormir. A vices io mesme, qui deberea ser un alte initiato, demanda a lo que in me es de ultra Deo, si iste deos tote e tote iste astros forsan non es plus que somnos de se mesme, grande oblidos del abysmo.

« Não pasme de que eu assim fale. Sou naturalmente poeta, porque sou a verdade falando por engano, e toda a minha vida, afinal, é um sistema especial de moral velado em alegoria e ilustrado por símbolos.

« Non stupe de que io assi parla. Io es naturalmente poeta, proque io es le veritate parlante per error, e tote mi vita, finalmente, es un systema special de moral velate in allegoria e illustrate per symbolos.

– Não (disse ela rindo), sempre há-de haver uma religião verdadeira… Sim (rindo mais), ou então são todas falsas.

– No (diceva illa ridente), il debera sempre haber un religion ver… Si (ridente plus), o alteremente es totes false.

– Minha senhora, todas as religiões são verdadeiras, por mais opostas que pareçam entre si. São símbolos diferentes da mesma realidade, são como a mesma frase dita em várias línguas; de sorte que não se entendem uns aos outros os que estão dizendo a mesma coisa. Quando um pagão diz Júpiter e um cristão diz Deus estão pondo a mesma emoção em termos diversos da inteligência: estão pensando diferentemente a mesma intuição. O repouso de um gato ao sol é a mesma coisa que a leitura de um livro. Um selvagem olha para a tormenta do mesmo modo que um judeu para Jeová, um selvagem olha para o sol do mesmo modo que um cristão para o Cristo. E porquê, minha senhora? Porque trovão e Jeová, sol e cristão, são símbolos diversos da mesma coisa.

– Seniora, tote le religiones es ver, quantocunque opposite illes pare. Illes es symbolos differente del mesme realitate, illes es como le mesme phrase dicte in varie linguas; como on non se intende dicente le mesme cosa. Quando un pagano dice Jupiter e un christiano dice Deo, illes pone le mesme emotion in terminos diverse del intelligentia: illes pensa differentemente le mesme intuition. Le reposo de un catto in le sol es me mesme cosa que le lectura de un libro. Un salvage revere un tempesta de tonitro del mesme modo que un judeo revere Jehovah, un salvage revere le sol del mesme modo que un christiano revere Christo. E proque, seniora? Proque tonitro e Jehovah, sol e Christo, es symbolos diverse del mesme cosa.

« Vivemos neste mundo dos símbolos, no mesmo templo claro e obscuro – treva visível, por assim dizer; e cada símbolo é uma verdade substituível à verdade até que o tempo e as circunstâncias restituam a verdadeira.

« Nos vive in iste mundo del symbolos, in le mesme templo clar e obscur – tenebras visibile, pro assi dicer; e cata symbolo es un veritate substituibile al veritate usque le tempore e le circumstantias restitue le ver.



« Corrompo, mas ilumino. Sou a Estrela Brilhante da Manhã – frase, por sinal, que já foi por duas vezes aplicada, não sem critério ou entendimento, a outro que não parece eu.

« Io corrumpe, mais illumina. So le Stella Brillante del Matino – phrase, a proposito, que ja era duo vices applicate, non sin criterio o intendimento, a un altere qui non pare io.



– Meu marido disse-me uma vez que Cristo era o símbolo do sol…

– Mi marito me diceva un vice que Christo era le symbolo del sol…

– Sim, minha senhora. E porque não será verdade o contrário – que o sol é o símbolo de Cristo?

– Si, seniora. E proque non serea ver le contrario – que le sol es le symbolo de Christo?

– Mas o Sr vira tudo do avesso…

– Ma vos gira toto al inverso…

– É o meu dever, minha senhora. Não sou, como disse Goethe, o espírito que nega, mas o espírito que contraria.

– Illo es mi deber, seniora. Io non es, como diceva Goethe, le o spirito que nega, ma le spirito que contraria.

– Contrariar é feio…

– Contrariar es vil…

– Contrariar actos, sim… Contrariar ideias, não.

– Contrariar actos, si… Contrariar ideas, no.

– E porquê?

– E proque?

– Porque contrariar actos, por maus que sejam, é estorvar o giro do mundo, que é acção. Mas contrariar ideias é fazer com que nos abandonem, e se caia no desalento e de aí no sonho e portanto se pertença ao mundo.

–  Proque contrariar actos, quantocunque mal ille es, es disturbar le girar del mundo, que es action. Ma contrariar ideas es facer que illos nos abandona, e on cade in abattimento e de la in le sonio e dunque on pertine al mundo.

 

 

« Há, minha senhora, com respeito ao que sucede neste mundo, três teorias distintas – que tudo é obra do Acaso, que tudo é obra de Deus, e que tudo é obra de várias coisas, combinadas ou entrecruzadas. Pensamos, em geral, em termos da nossa sensibilidade, e por isso tudo se nos volve num problema do bem e do mal; há muito que eu mesmo sofro grandes calúnias por causa dessa interpretação. Parece não ter ainda ocorrido a ninguém que as relações entre as coisas – supondo que haja coisas e relações – são complicadas demais para que algum deus ou diabo as explique ou ambos as expliquem.

« Il ha, seniora, con respecto a lo que adveni in iste mundo, tres theorias distincte – que toto es le obra del Hasardo, que toto es le obra de Deo, e que toto es le obra de varie cosas, combinate o intercruciate. Nos pensa, in general, in terminos de nostre sensibilitate, e pro isto toto pro nos deveni un problema del ben e del mal; ja longe tempore io mesme suffre grande calumnias a causa de ille interpretation. Il pare que ancora il ha occurrite a necuno que le relationes inter le cosas – supponente que il ha cosas e relationes – es troppo complicate pro alcun deo o diabolo, o ambes, poter explicar los.

 

 

« Sou o mestre lunar de todos os sonhos, o músico solene de todos os silêncios. Lembra-se do que tem pensado quando, sozinha, está ante uma grande paisagem de arvoredos e de luar? Não se lembra, porque pensou em mim, e, devo dizer-lho, verdadeiramente não existo. Se existe qualquer coisa, não sei.

« Io es le maestro lunar de tote le sonios, le musico solemne de tote le silentios. Vos memora vos de lo que vos ha pensate quando vos, sol, stava ante un grande paisage de arboretos e de clar de luna? Vos non vos memora, proque vos ha pensate de mi, e io debe vos dicer, vermente io non existe. Si existe qualcunque cosa, io non sape.

« As aspirações vagas, os desejos fúteis, os tédios do vulgar, ainda quando o amamos, os aborrecimentos do que não aborrece – tudo isso é obra minha, nascida de quando, deitado à margem de grandes rios do abismo, penso que também não sei nada. Então o meu pensamento desce, eflúvio vago, às almas dos homens e eles sentem-se diferentes de si mesmos.

«  Le aspirationes vage, le desiros futile, le tedios del vulgar, anque si nos lo ama, le abhorrimentos de lo que nos non abhorre – tote isto es obra mie, nascite de quando, jacite al ripa de grande rivieras del abysmo, io pensa que tamben io sape nihil. Tunc mi pensamento descende, effluvio vage, al animas del homines e illes se senti differente de se mesme.

« Sou o eterno Diferente, o eterno Adiado, o Supérfluo do Abismo. Fiquei fora da Criação. Sou o Deus dos mundos que foram antes do Mundo – os reis de Edom que reinaram mal antes de Israel. A minha presença neste universo é a de quem não foi convidado. Trago comigo memórias de coisas que não chegaram a ser mas estiveram para ser. (Então face não via face, não havia equilíbrio.)

« Io es le eterne Differente, le eterne Ajornate, le Superflue del Abysmo. Il ha remanite foras del Creation. Io es le Deo del mundos que esseva ante le Mundo – le reges de Edom qui regeva mal ante Israel. Mi presentia in iste universo es lo de qui non esseva invitate. Io porta con me memorias de cosas que non esseva, ma que esseva visate. (Tunc facie non videva facie, il non habeva equilibrio.)

« A verdade, porém, é que não existo – nem eu, nem outra coisa qualquer. Todo este universo, e todos os outros universos, com seus diversos criadores e seus diversos Satãs – mais ou menos perfeitos e adestrados – são vácuos dentro do vácuo, nadas que giram, satélites, na órbita inútil de coisa nenhuma.

« Le veritate, totevia, es que io non existe – nec io, nec altere cosa qualcunque. Tote iste universo, e tote le altere universos, con su diverse creatores e su diverse Satanes – plus o minus perfecte e dressate – son vacuos intra le vacuo, nihiles que gira, satellites, in le orbita inutile de cosa necun.

 

 

« Não estou falando contigo mas com o teu filho…

« Io non parla con te ma con tu filio…

– Não tenho filho… Isto é, vou tê-lo daqui a seis meses, se Deus quiser…

– Io non habe filio… Isto es, io va haber lo post sex menses, Deo volente…

– É com ele que estou falando… Daqui a seis meses? Seis meses de quê?

– Il es con ille con qui io parla… Post sex menses? Sex menses de que?

– De quê?! Seis meses…?

– De que?! Sex menses…?

– Seis meses solares? Ah, sim. Mas a gravidez vai por meses lunares, e eu mesmo não posso contar senão por meses de Lua, que é minha filha, isto é, a minha cara vista nas águas do caos. Com a gravidez e todas as porcarias da terra não tenho nada que ver, nem sei porque graça me foram medir estas coisas pelas leis da lua que forneci. Porque não arranjaram outra bitola? Para que é que o omnipotente precisava do meu trabalho?

– Sex menses solar? Ah, si. Mais le graviditate va per menses lunar, e io mesme solo pote contar per menses de Luna, qui es mi filia, isto es, mi facie viste in le aquas de chaos. Con le graviditate e tote le porcherias del terra io non ha nihil a vider, ni io sape proque serea necesse lassar me metir iste cosas per le leges del luna que io ha fornite. Proque illes non ha arrangiate un altere mensura? Quare le omnipotente besoniava mi travalio?

« Desde o princípio do mundo que me insultam e me caluniam. Os mesmos poetas – por natureza, meus amigos – que me defendem, me não têm defendido bem. Um – um inglês chamado Milton – fez-me perder, com parceiros meus, uma batalha indefinida que nunca se travou. Outro – um alemão chamado Goethe – deu-me um papel de alcoviteiro numa tragédia de aldeia. Mas eu não sou o que pensam. As igrejas abominam-me. Os crentes tremem do meu nome. Mas tenho, quer queiram, quer não, um papel no mundo. Nem sou o revoltado contra Deus, nem o espírito que nega. Sou o Deus da Imaginação, perdido porque não crio. É por mim que, quando criança, sonhaste aqueles sonhos que são brinquedos; é por mim, que, quando mulher já, tiveste a abraçar-te de noite os príncipes e dominadores que dormem no fundo desses sonhos. Sou o espírito que cria sem criar, cuja voz é um fumo, cuja alma é um erro. Deus criou-me para que eu o imitasse de noite. Ele é o Sol, eu sou a Lua. Minha luz paira sobre tudo quanto é fútil ou findo, fogo-fátuo, margens de rio, pântanos e sombras.

« Desde le principio del mundo on me insulta e me calumnia. Le mesme poetas – per natura mi amicos – qui me defende, non me ha defendite ben. Un – un anglese appellate Milton – me face perder, con partenarios mie, un battalia indefinite que nunquam era ingagiate. Un altere – un germano appellate Goethe – dava me un rolo de mediator in un tragedia de village. Mais io non es lo que on pensa. Le ecclesias me abomina. Le credentes treme de al audir mi nomine. Mais io ha, nolens volens, un rolo in le mundo. Io es ni le insurgente contra Deo, ni le spirito que nega. Io es le Deo del Imagination, perdite proque io non crea. Il es per me que, quando infante, tu ha soniate celle sonios que es joculos; il es per me que, quando ja femina, tu habeva a imbraciar te de nocte le principes e domina­tores qui dormi in le fundo de ille sonios. So le spirito qui crea sin crear, cuje voce es un fumo, cuje anima es un error. Deo me ha create a fin que io le imitarea de nocte. Ille es le Sol, io es le Luna. Mi luce plana super toto quanto es futile o finite, foco fatue, ripas de riviera, paludes e umbras.

« Que homem pousou sobre os teus seios aquela mão que foi minha? Que beijo te deram que fosse igual ao meu? Quando, nas grandes tardes quentes, sonhavas tanto que sonhavas de sonhar, não viste passar, no fundo dos teus sonhos, uma figura velada e rápida, a que te daria toda a felicidade, a que te beijaria indefinidamente? Era eu.

« Que homine ha ponite sur tu sinos ille mano que era mie? Que basio te ha date que era equal al mie? Quando, in le postmeridies longe e calide, tu soniava tanto que soniava de soniar, tu non ha vidite passar, in le fundo de tu sonios, un figura velate e rapide, qui darea te tote felicitate, qui basiarea te indefinitemente? Era io.

« Sou eu. Sou aquele que sempre procuraste e nunca poderás achar. Talvez, no fundo imenso do abismo, Deus mesmo me busque, para que eu o complete, mas a maldição do Deus Mais Velho – o Saturno de Jeová – paira sobre ele e sobre mim, separa-nos, quando nos devera unir, para que a vida e o que desejamos dela fossem uma só coisa.

« So io. So ille que tu ha sempre cercate e tu nunquam potera trovar. Forsan, in le fundo immense del abysmo, Deo mesme me quere, a fin que io le completa, ma le male­diction del Deo Plus Vetule – le Saturno de Jehovah – plana super ille e super me, separa nos, quando habeva debite nos unir, a fin que le vita e lo que nos desira de illo serea un e le mesme cosa.

« O anel que usas e amas, a alegria de um pensamento vago, o sentires que estás bem ao espelho em que te vês – não te iludas: não és tu, sou eu. Sou eu que ato bem todos os laços com que as coisas se decoram, que disponho certas as cores com que as coisas se ornam. De tudo quanto não vale a pena ser faço eu meu domínio e meu império, senhor absoluto do interstício e do intermédio, do que na vida não é vida. Como a noite é o meu reino, o sonho é o meu domínio. O que não tem peso nem medida – isso é meu.

« Le anello que tu usa e ama, le allegressa de un pensamento vage, que tu senti que es bon in le speculo in le qual tu te vide – non te illude: non es tu, so io. So io qui apta ben tote le lacios con que le cosas se decora, qui dispone certe le colores con que le cosas se orna. De toto quanto non vale le pena esser, io face mi dominio e mi imperio, senior absolute del interstitio del spatio intermedie, de lo que in le vita non es vita. Como le nocte es mi regno, le sonio es mi dominio. Lo que ni ha peso ni mesura – illo es mie.

« Os problemas que atormentam os homens são os mesmos problemas que atormentam os deuses. O que está em baixo é como o que está em cima, disse Hermes Três Vezes Máximo, que, como todos os fundadores de religiões, se lembrou de tudo, menos de existir. Quantas vezes Deus me disse, citando Antero de Quental, ”Ai de mim! ai de mim! e quem sou eu?”

« Le problemas que tormenta le homines es le mesme problemas que tormenta le deos. Lo que se trova in basso es como lo que trova in cyma, diceva Hermes Tres Vices Maxime, qui, como tote le fundatores de religiones, se memorava de toto, minus de exister. Quante vices Deo ha me dicite, citante Antero de Quental, ”Ay me! ay me! e qui so io?”

« Tudo é símbolo e atraso, e nós, os que somos deuses, não temos mais que um grau mais alto numa Ordem cujos Superiores Incógnitos não sabemos quem sejam. Deus é o segundo na Ordem manifesta, e não me diz quem é o Chefe da Ordem, o único que conhece – se conhece – os Chefes Secretos. Quantas vezes Deus me disse: ”Meu irmão, não sei quem sou.”

« Toto es symbolo e arretrato, e nos, les que es deos, non ha plus que un grado plus alte in un Ordine cuje Superiores Incognite nos non sape qui sia. Deo es le secunde in le Ordine manifeste, e ille non me dice qui es le Chef del Ordine, le unic qui cognosce – si cognosce – le Chefs Secrete. Quante vices Deo me ha dicite: ”Mi fratre, io non sape qui io es.”

« Tendes a vantagem de serdes homens, e creio às vezes, do fundo do meu cansaço de todos os abismos, – que mais vale a calma e a paz de uma noite de família à lareira que toda esta metafísica dos mistérios a que nós, os deuses e os anjos, estamos condenados por substância. Quando, às vezes, me debruço sobre o mundo, vejo ao longe, indo do porto ou voltando a ele, as velas dos barcos dos pescadores, e o meu coração tem saudades imaginárias da terra onde nunca esteve. Felizes os que dormem, na sua vida animal, – um sistema peculiar de alma, velado em poesia e ilustrado por palavras.

« Vos habe le avantage de esser homines, e io crede a vices, del fundo de mi fatiga de tote le abysmos, – que plus vale le calma e le pace de un nocte de familia al focar que tote iste metaphysica del mysterios a que nos, le deos e le angelos, es condemnate per substantia. Quando, a vices, me bassa super le mundo, io vide in le lontanantia, partiente del porto o retornante a illo, le velas del barcas del piscatores, e mi corde ha nostalgias imaginari del terra ubi illo nunquam esseva. Felice sia illes qui dormi, in su vita animal, – un systema peculiar de anima, velate in poesia e illustrate per parolas.

– Esta conversa tem sido interessantíssima…

– Iste conversation ha essite interessantissime…

– Esta conversa, minha senhora? Mas esta conversa, embora talvez o facto mais importante da sua vida, nunca verdadeiramente se deu. Em primeiro lugar, é bem sabido que eu não existo. Em segundo lugar, como estão concordes os teólogos, que me chamam Diabo, e os livres pensadores, que me chamam Reacção, nenhuma conversa minha pode ter interesse. Sou um pobre mito, minha senhora, e, o que é pior, um mito inofensivo. Consola-me só o facto de que o universo – sim, esta coisa cheia de várias formas de luzes e de vidas – é um mito também.

– Iste conversation, seniora? Ma iste conversation, ben que forsan le cosa le plus importante de su vita, nunquam vermente ha evenite. In prime loco, il es ben sapite que io non existe. In secunde loco, como concorda le theologos, qui appella me Diabolo, e le libere pensatores, qui me appella Reaction, necun conversation mie pote haber interesse. Io es un povre mytho, seniora, e, que es pejor, un mytho inoffensive. Consola me solo le facto que de uni­verso – si, iste cosa plen de varie formas de luces e de vitas – es un mytho tamben.

« Dizem que todas estas coisas podem ser esclarecidas à luz da Kabbalah e da Teosofia, mas são esses assuntos de que nada sei; e Deus, a quem uma vez falei deles, disse-me que também os não compreendia bem, pois que eram pertença exclusiva, em seus arcanos, dos grandes iniciados da Terra – que, pelo que tenho lido em livros e jornais, são e têm sido abundantes.

« On dice que tote iste cosas pote esser clarificate al luce del Kabbalah e del Theosophia, mais es ille themas de que nihil io sape; e Deo, a qui un vice io ha parlate de illos, me ha dicite que ille tamben los non comprehendeva ben, pois que era appertinentia exclusive, in su arcanos, del grande initiates del Terra – que, secundo lo que io ha legite in libros e jornales, son e ha essite abundante.

« Aqui nestas esferas superiores, de onde se criou e transformou o mundo, nós, para lhe dizer a verdade, não percebemos nada. Debruço-me às vezes sobre a terra vasta, deitado à margem do meu planalto sobre tudo – o planalto da Montanha de Heredom, como já lhe ouvi chamar – e cada vez que me debruço vejo religiões novas, novas grandes iniciações, novas formas, todas contraditórias, da verdade eterna, que nem Deus conhece.

« Qui in iste spheras superior, de ubi se ha create e transformate le mundo, nos, a vos dicer ver, nos percipe nihil. Io bassa me a vices super le terra vaste, jacente al margine de mi plateau super toto – le plateau del Montania de Heredom, como io ja lo ha audite appellar – e cata vice que io me bassa io vide religiones nove, nove grande initiationes, nove formas, totes contradictori, del veritate eterne, que ni Deo cognosce.

« Confesso-lhe que estou cansado do Universo. Tanto Deus como eu de bom grado dormiríamos um sono que nos libertasse dos cargos transcendentes em que, não sabemos como, fomos investidos. Tudo é muito mais misterioso do que se julga, e tudo isto aqui – Deus, o universo e eu – é apenas um recanto mentiroso da verdade inatingível.

« Confessa vos io que so fatigate del Universo. Tanto Deo como io de bon grado dormirea un somno que nos liberava del carga transcendente con que, nos non sape como, on nos ha investite. Toto es multo plus mysteriose que on judica, e tote isto qui – Deo, le universo e io – es solo un angulo mendace del veritate inattingibile.

 

 

– Não imagina quanto apreciei sua conversa. Nunca ouvi falar assim.

– Vos non imagina quanto io ha appreciate su colloquio. Nunquam io audiva assi parlar.

Tinham saído para a rua, cheia de luar, na qual ela não reparara. Ela calou-se um momento.

Illes habeva quitate al strata, le luna plenmente exclarante lo, sin illa lo haber notate. Illa taceva un momento.

– Mas sabe – é curioso – sabe realmente, e no fim de tudo, o que sinto?

– Ma sape vos – il es curiose – sape realmente, e al fin de toto, que io senti?

– O quê? perguntou o Diabo.

– Que? demandava le Diabolo.

Ela voltou para ele olhos subitamente marejados.

Illa verteva se a illa, le oculos subitemente lacrimose.

– Uma grande pena de si!

– Un grande pietate de vos!

Uma expressão de angústia, como ninguém julgaria que pudesse haver, passou pelo rosto e pelos olhos do homem vermelho. Deixou cair súbito o braço que enlaçava o dela. Parou. Ela deu alguns passos, constrangida. Depois voltou-se para trás para dizer qualquer coisa – não sabia o quê porque nada percebera – para se desculpar da mágoa que viu que causara.

Un expression de angustia, como nemo judicarea que il poteva haber, veniva al facie e al oculos del homine rubie. Ille lassava subito cader le bracio que teneva le de illa. Ille arrestava se. Illa dava alcun passos, abattite. Depost illa verteva se pro dicer qualque – sin saper que, proque nihil illa habeva comprendite – pro disculpar se del dolo que illa videva haber causate.

 

 

Ficou atónita. Estava sozinha.

Illa stava perplexe. Esseva sol.

Sim, era a rua dela, o topo da rua, mas além dela não estava ali ninguém. O luar batia, claríssimo, não na saída do funicular, mas nas duas portas fechadas da serralharia de sempre.

Si, il era su strata, le extremitate, ma salvo illa nemo la esseva. Le luna brilla, clarissime, non al egresso del tramvia funicular, mais al duo portas clause del serratureria de sempre.

Não, além dela, não estava ali ninguém. Era a rua de dia vista à noite. Em vez do sol, o luar – mais nada; um luar normal muito claro que deixava naturais as casas e as ruas. O luar de sempre, e ela avançou para casa.

No, salvo illa, nemo la esseva. Era le strata de die viste le vespere. In vice del sol, le luna – nihil cetero; un luna normal brillante multo clarmente, que monstrava natural­mente le casas e le stratas. Le clar de luna de sempre, e illa avantiava al casa.

 

 

– Vim com gente conhecida. Como vinham para os mesmos lados…

– Io ha venite con gente cognoscite. Jam que illes iva in le mesme direction…

– E como vieste? A pé?!

– E como tu ha venite? A pede?!

– Não. Vim de automóvel.

– No. In automobile.

– Essa é boa! Não ouvi.

– Remarcabile! Io non audiva.

– Não até à porta, disse ela sem hesitação. Passaram ali à esquina, e eu pedi que me não trouxessem até aqui, porque queria andar este bocado de rua com este luar tão lindo. E está lindo. Olha, vou-me deitar: Boa noite…

– Non usque le porta, diceva illa sin hesitation. Solo al angulo, e io peteva non me ducer al casa, proque io voleva ambular iste pecietta del strata con le clar de luna tan belle. Es vermente belle. Bon, io va cubar: Bon nocte…

E foi, sorrindo mas sem lhe dar um beijo – o do costume que ninguém ao dar sabe se é costume se é beijo.

E illa iva, surridente ma sin le dar un basio – le de costume que nemo al dar sape si es costume o es basio.

Nenhum deles reparou que se não tinham beijado.

Necun de illes percipeva que non se ha basiate.

A criança, um rapaz, que nasceu cinco meses depois, veio, no decurso do tempo geral e do seu crescimento particular, a revelar-se muito inteligente. Quando já homem, um talento, talvez um génio, o que era talvez verdade, embora o dissessem alguns críticos.

Le infante, un puero, qui nasceva cinque menses depost. veniva, in le curso del tempore general e de su crescimento particular, a revelar se multo intelligente. Quando ja homine, un talento, forsan un genio, lo que era forsan ver, ben que lo dicerea alcun criticos.

Um astrólogo, que lhe fez o horóscopo, disse-lhe que tinha Câncer no Ascendente, e Saturno como signo.

Un astrologo, qui le traheva le horoscopo, diceva le que ille habeva Cancer in le Ascendente, e Saturno como signo.

– Diga-me uma coisa, mãe… Dizem que certas memórias maternas se podem transmitir aos filhos. Há uma coisa que constantemente me aparece em sonhos e que não posso relacionar com coisa alguma que me houvesse sucedido. É uma memória de uma viagem estranha, em que aparece um homem de vermelho que fala muito. É, primeiro, um automóvel, e depois um comboio, e nessa viagem em comboio passa-se sobre uma ponte altíssima, que parece dominar toda a terra. Depois há um abismo, e uma voz que diz muitas coisas, que, se eu as ouvisse, talvez me dissessem a verdade. Depois sai-se à luz, isto é, ao luar, como se saíssemos de um subterrâneo, e é exatamente aqui no fim da rua… Ah, é verdade, no fundo ou princípio de tudo há uma espécie de baile, ou festa, em que esse homem de vermelho aparece…

–  Dice me un cosa, matre… On dice que certe memorias materne se pote transmitter al filios. Il ha un cosa que constantemente me appare in sonios e que io non pote correlatar con ulle cosa que me ha evenite. Es un memoria de un viage estranie, in que appare un homine de rubie qui parla multo. Il ha, primo, un automobile, depois un traino, e in ille viage per traino on passa super un ponte altissime, que pare dominar tote le terra. Depois il ha un abysmo, e un voce que dice multo cosas, que, si io lo audiva, forsan me dicerea le veritate. Depois on exi al luce, isto es, al clar de luna, como si on exiva de un subsolo, e illo es exactemente qui al fin del strata… Ah, il es ver, in le fundo o principio de toto il ha un specie de ballo, o festa, in que ille homine vestite de rubie appare…

Maria depôs no colo a sua costura. E, virando-se para a Antónia, disse:

Maria deponeva in le gremio su sutura. E, adressante se a Antonia, illa diceva:

– Ora isto tem graça. Está claro que aquilo dos comboios e automóveis e tudo mais é um sonho, mas, realmente, há uma parte de verdade… Foi aquele baile no Clube Azul, no Carnaval, aqui há muitos anos – sim, uns cinco – uns seis – meses antes de este nascer. Lembras-te? Eu dancei com um rapaz qualquer vestido de Mefistófeles, e depois vocês vieram trazer-me a casa no seu automóvel, e eu fiquei, até, no fim da rua (olha, onde ele diz que saiu do abismo…)…

– Ora isto es facete. Il es clar que illo del trainos e automobiles e toto plus es un sonio, mais, realmente, il ha un parte de veritate… Il era in ille ballo in le Club Azur, al Carnaval, ora multe annos retro – si, circa cinque o sex menses ante que iste nasceva. Tu te memora? Io ha dansate con un juvene vestite de Mephistopheles, e depois vos veniva ducer me a casa in vostre automobile, e io remaneva, mesmo, al fin del strata (mira, ubi ille dice que ille exiva del abysmo…)…

– Oh, filha, lembro-me perfeitamente… Nós queríamos vir até à porta de casa, aqui, e tu não quiseste. Disseste que gostavas de andar este bocadito ao luar…

– Oh, cara, io me memora perfectemente… Nos voleva venir usque le porta del casa, e tu non lo voleva. Tu ha dicite que te placeva ambular iste pecietta in le clar de luna…

– Isso mesmo… Mas é engraçado, filho, que tu tenhas acertado com certas coisas que estou certa que nunca te contei. É claro, não têm importância nenhuma… Que coisas curiosas que são os sonhos! Como é que se pode arranjar assim uma história, em que há coisas verdadeiras – e que a própria pessoa não podia adivinhar – e tantos grandes disparates, como o comboio e a ponte e o subterrâneo?

– Justo… Mais il es jocose, filio, que tu ha divinate certe cosas que io es certe que io nunquam te ha contate. Il es clar, e ha importantia necun… Que cosas curiose es le sonios! Como es que on pote arrangiar assi un historia, in le qual il a cosas ver – e que le proprie persona non poteva presumer – e tante grande follias, como le traino e le ponte e le subsolo?

Ingrata humanidade! Assim se agradeceu ao Diabo.

Ingrate humanitate! Assi on regratiava le Diabolo.


[Fin alternative del conto, per le autor lassate sur un folio separate:]

– Nem nesse baile havia alguém vestido de Mefistófeles, todo de vermelho. Isso nunca me esqueceria… Não é verdade. Antónia?

– Ni in ille ballo il habeva alicuno vestite Mephistopheles, tote de rubie. Illo io nunquam haberea oblidate… Non es ver, Antonia?

– Não, não me lembro… Não havia com certeza. Essas coisas assim, sobretudo de cores muito violentas, nunca esquecem.

– No, io non me memora… Il non habeva alicuno assi, con certitude. Cosas assi, super toto le colores multo violente, on nunquam oblida.

– E a mãe não dançou com ninguém nesse baile?

– E mi matre ha dansate non necuno in ille ballo?

– Dancei – só uma vez. Com um homem vestido de sábio, e que me disse que era o Doutor Fausto. Por sinal que não dancei mais. Era uma criatura quase muda. À parte dizer-me que era o Doutor Fausto, porque eu lho perguntei, creio que não disse mais nada.” E desatou a rir. “Ah! Disse, disse. Ainda me lembro da cara dele – muito triste, muito caída, como se estivesse ali por condenação. O que me disse foi isto: quando se despediu de mim, disse: “Adeus, Margarida!” Nunca percebi que graça isso tinha. Mas o desgraçado estava tão distraído que, naturalmente, estava pensando numa rapariga qualquer. (Gretchen). E foi tudo que sucedeu neste baile… O que é curioso é isso da rua e do luar. Mas talvez eu te tivesse falado nisso alguma vez.”

– Io ha dansate – solo un vice. Con un homine vestite de sagio, e qui me diceva que ille era Doctor Fausto. A proposito, io non ha dansate plus. Ille era un creatura quasi mute. Salvo dicer me que ille era Doctor Fausto, proque io le lo demandava, io crede que ille diceva nihil altere.” E illa erumpeva in riso. “Ah! Si, diceva. Ancora io me memora su facie – multo triste, multo cadite, como si ille la esseva como condemnation. Lo que ille diceva era isto: al congedo ille diceva: “Adeo, Margarida!” Nunquam io ha comprendite le joco de illo. Ma le inhabile esseva tan distracte que, naturalmente, pensava a un altere puera. (Gretchen). E era illo toto que eveniva in iste ballo… Lo que es curiose es illo del strata e del clar de luna. Ma forsan io ha parlate sur illo con te un vice.”

“Talvez, sim… Não me lembro mas é possível… Deve ter sido isso…” – end –

“Forsan, si… Io non me memora mais es possibile… Il debe haber essite illo…” – end –

A hora do Diabo, por Fernando Pessoa.
Provavelmente escrito entre 1902 e 1905.
(Cá na ortografia não original, pre-acordo ortográfico de 1990.)

Le hora del Diabolo, traduction in interlingua, © maio/junio/julio 2018, per Ruud Harmsen.